Ao adotar a estratégia pela busca da excelência operacional fundamentada na metodologia Lean, mais do que buscar resultados e ganhos de produtividade e custo no curto prazo, a liderança está sim criando uma filosofia de negócio focada na construção de uma cultura de melhoria contínua que, se sustentada, resulta, no longo prazo, a obtenção de ganhos contínuos e sustentáveis de produtividade, agilidade, custo que consolidará a competitividade e a liderança da empresa no seu segmento.

A filosofia Lean Enterprise oferece metodologias e ferramentas para um sistema de gestão sistêmico, integrado e completo, compreendendo as dimensões estratégicas, táticas e operacionais.

Dentro de uma perspectiva estratégica, a filosofia Lean ajuda a definir a Visão, Missão, Valores e as grandes linhas de condução do negócio, por exemplo: Foco em criar valor para o cliente, fluxos contínuos e puxados pelo mercado, flexibilidade dos processos, sistemas produtivos baseados em células de produção, baixos inventários, gestão à vista, organização e limpeza, trabalho em equipe etc.

Na dimensão das pessoas, a filosofia Lean busca construir valores corporativos e pessoais focados na busca incessante de melhoria, na prevenção, na disciplina, no foco na simplicidade e estruturação de processos enxutos. A prática contínua destes fundamentos do Lean consolidam e fortalecem estes valores, criando uma cultura empresarial robusta e perene.

Estruturado a partir do trabalho e comprometimento das equipes com a melhoria, o Kaizen é uma ferramenta estrutural do Lean, que, se bem aplicada, é estratégica para implementar todas as demais ferramentas e conceitos desta metodologia, sustentando o “pensamento enxuto” no longo prazo.

Para um importante componente da Gestão Estratégica — o desdobramento de objetivos e metas para toda a organização –, o Lean oferece a metodologia Hoshin Kanri, focada na definição de objetivos claros e bem definidos para o sucesso do negócio e nas ações para o envolvimento de todos da organização no desdobramento das estratégias e metas e no Gerenciamento por Diretriz, ou seja, a busca das equipes em alcançar as metas definidas para os seus processos.

Esta questão de desdobramento de metas e o envolvimento de todos na Gestão Estratégica tem sido um grande desafio para as empresas, que muitas vezes não atingem os resultados esperados pela deficiência em comunicar claramente e difundir os objetivos e metas para todas as áreas. Este é um fator crítico, pois dentro de um ambiente altamente competitivo, as organizações só vão conseguir alcançar melhorias significativas para o negócio se conseguir incluir na rotina de todos da organização a participação efetiva nas ações estratégicas.

Uma outra dimensão do Lean para construir a competitividade do negócio está na aplicação dos seus conceitos e ferramentas para a estruturação de processos de manufatura e transacionais enxutos (sem desperdícios), flexíveis, ágeis, rápidos e com qualidade. Começando pela ferramenta do Mapa de Fluxo de Valor (VSM), que permite de uma forma visual e simples entender a complexidade dos processos na criação de valor para o cliente e, principalmente, ajudar a enxergar os desperdícios e oportunidades de melhoria na cadeia de valor, que permite definir os objetivos futuros para o fluxo de valor e a estratégia de implantação das ferramentas do Lean.

Para cada desperdício que for identificado no Mapa de Valor, o Lean oferece conceitos e ferramentas específicos e já validados para sua eliminação. Se o problema é layout, falta de padrão, desbalanceamento de operações, temos a metodologia do Trabalho Padronizado para estruturar processos robustos, balanceado e com recursos bem dimensionados.

Caso existam problemas de indisponibilidade de máquinas, podemos utilizar o conceito de troca rápida (SMED) ou a Manutenção Produtiva Total (TPM). Se a questão é organização e limpeza, aplica-se o 5S. Para aprimoramento da comunicação e participação nas iniciativas de melhoria, podemos utilizar a Gestão à Vista. Se quisermos reduzir níveis de estoque e melhorar os processos de abastecimentos interno e externo, os conceitos de Just in Time e Kanban trazem grandes soluções para fluxo de materiais e estruturação de estoques estratégicos.

As questões de qualidade são tratadas dentro da metodologia Jidoka com uma abordagem preventiva (Poka Yoke), foco de ação imediata (Andon) e solução rápida de problemas.

As empresas têm buscado as melhores práticas de gestão para garantir sua competitividade e dentro deste cenário, o Lean, com todo o seu arsenal metodológico comprovadamente eficaz, atende boa parte da demanda de uma gestão estratégica focada em resultados e contribuirá de forma inequívoca para o sucesso, a longevidade e a liderança das corporações em seus respectivos segmentos.

 Luis Oliveira – Sócio – Diretor da ÓTIMA Estratégia e Gestão. Bacharel em Estatística pela UNICAMP, Pós-Graduado pela FGV, Master Black Belt Lean Six Sigma, Lead Assessor ISO 9000, Examinador do PNQ por diversos anos. Especialista na definição e implantação de Gestão Estratégica de Resultados fundamentadas na metodologia Lean Six Sigma.